sábado, 7 de agosto de 2021

😎 Boas Férias📚




 Sabias que...
Ler um livro é uma viagem!
Atreve-te a encontrar a tua!
Deixa-te levar pelas asas da imaginação!









terça-feira, 29 de junho de 2021

📣As Naus de Verde Pinho pelos alunos do 6º9⛵ e 😉Palavras que o Vento não leva📜

 

Manuel Alegre , As Naus de Verde Pinho - 6º9

    Partilhamos aqui a leitura em voz alta que os alunos do 6º9 fizeram de As Naus de Verde Pinho de Manuel Alegre no âmbito da disciplina de Português, com a Profª Sandra Serrano.

             🚩 Ora embarca lá nesta viagem!

Vê e ouve aqui!👇


😀😉
Para descobrires mais sobre este poeta, clica na imagem 👇




-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

😏

Palavras que o vento não leva

📝Oficina de escrita criativa (ao sabor da Natureza)🌳

💚👀👃👂💕

No Dia Mundial da Poesia, 21 de março, os alunos do 4ºano da Pêro da Covilhã foram desafiados a explorar a natureza escondida aos olhos menos atentos e a escrever um brevíssimo, mas intenso, poema (Haiku) seguindo (quase todas) as regras de Matsuo Bashô (poeta e viajante japonês (1644-1694)). 

Partilhamos, agora, o resultado dessa tarde de exploração da natureza, dos sentidos, do sentir e da escrita.... Poemas curtos, intensos, que tentam aprisionar o(s) momento(s) demasiado breves... A NÃO PERDER!

😉Clica na imagem e vê o vídeo com esses  poemas!
                                                👇







terça-feira, 22 de junho de 2021

📝Concurso de Escrita - Textos vencedores da 2ª fase 🏆

   Hoje, entre as 10:25h e as 11:15h, decorreu a 3ª fase do Concurso de Escrita dinamizado pelo Departamento de Línguas e Estudos Sociais.  
  Na 2ª fase, realizada a 17 de maio, os alunos foram desafiados a escolher um objeto, uma planta ou um animal, imaginar uma situação em que ele é protagonista e escrever o que lhe ia na alma.  
  Partilhamos, aqui, o Padlet com os textos da 2.ª fase que deram o apuramento aos  10 alunos que participaram hoje na fase final.
                                  Há muito talento e imaginação!💡 
Obrigatório LER!

😃Para descobrir esses textos, clica no link!📝
                                        👇



       Em breve, a equipa de trabalho informará sobre os resultados da 3.ªfase com a respetiva divulgação dos textos.
Não podes mesmo perder!

quinta-feira, 10 de junho de 2021

📢10 de Junho - Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas´21 - Grupo de História


😀Para assinalar o Dia  de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, as professoras de HGP prepararam uma exposição com trabalhos realizados pelos alunos a partir da representação de um dos símbolos nacionais (bandeira portuguesa - e bandeiras dos países  com comunidades portuguesas - e hino) e/ou do poeta Luís de Camões que através d'Os Lusíadas imortalizou os feitos dos portugueses.

Ora espreitem lá os fantásticos trabalhos feitos pelos nossos alunos!

👇


   😏 Quem foi Camões?

(Por Ilaf)


(Por Mariia)


😉DESCOBRE AQUI!
👇



















segunda-feira, 31 de maio de 2021

🧔⛵ Pêro da Covilhã pelos olhos dos alunos da EB A Lã e a Neve📚

 😃Partilhamos aqui as Lengalengas e o mural que os alunos da E B A Lã e a Neve fizeram a propósito do nosso patrono - Pêro da Covilhã.🚩

🚩No dia do nosso patrono, Pêro da Covilhã, ficámos a conhecer mais algumas aventuras deste espião nosso conterrâneo, que tanto contribuiu para que se encontrasse o Caminho Marítimo para a Índia. Quisemos recordar este ilustre covilhanense, escrevendo lengalengas sobre as suas aventuras e pintando a sua imagem numa das paredes da nossa escola.⛵


📢LENGALENGAS

PÊRO DA COVILHÃ

Quem vivia na Covilhã?

O Pêro que comprava lã.

Quem conheceu o rei?

O Pêro de quem falei.

Quem foi no camelo?

 O João Pêro.

Quem percorreu a areia amarela?

O Pêro que foi buscar canela.

Teve dificuldades?

Sim, mas conheceu várias cidades.


Abriu o caminho,

Mostrou a verdade,

E acabou sendo o herói

Da nossa cidade!

😀Alunos LN 13



                 Quem está na varanda?

            O rei que manda.

Quem está na caravela?

O Pêro com muita canela.

Quem é o moço?

É o amigo Afonso.

Quem está cansado?

O Pêro disfarçado.

Quem está na Guiné?


O Pêro que vai a pé.

Quem vai na mula?

O Pêro que sua.

Que é que corta?

Uma espada torta.

Quem ficou sozinho?

O Pêro, sem o seu amiguinho.

Em África, ficou certa manhã,

Nunca mais regressou à Covilhã.

 

😀Alunos LN24













sexta-feira, 7 de maio de 2021

📢Dia do Patrono - PÊRO da COVILHÃ 💡 Cibernautas da Pêro🔍

😀 PÊRO da COVILHÃ😃

Hoje é o dia do nosso patrono - Pêro da Covilhã (1460-1530) - conhecido como um dos maiores espiões do seu tempo.  A sua história e façanhas são fantásticas e fabulosas e dariam um grande filme.  

PÊRO DA COVILHÃ, o formidável espião de D. João II, é uma personagem histórica invulgar, cujas ações tiveram enorme impacto na política da Europa de então. Escudeiro do rei, que o escolhia para as missões mais secretas e arriscadas, era dotado de qualidades e talentos excecionais: memória fotográfica, extraordinária aptidão para aprender línguas, mestria na arte do disfarce para assumir as mais diversas identidades, capacidade de adaptação ao imprevisto, perícia no manejo de todas as armas do seu tempo, uma imensa coragem e espírito de sacrifício, ideais cavaleirescos da Demanda, da Aventura e do culto da Mulher e do Amor. 


💡CIBERNAUTAS da PÊRO🔍
   De modo a homenagearmos este aventureiro e espião destemido que levou o nome da cidade da Covilhã a todas as partes do globo, a equipa da Biblioteca Escolar desafia-te para uma nova aventura. 
  Queremos que sejas um verdadeiro espião da WEB e que sejas capaz de encontrar e decifrar na Internet a informação mais secreta e verdadeira. Queremos que sejas um "Cibernauta da Pêro"​.​ 

    Todos os meses a BE publicará, no blogue "Tantos Livros"um desafio por semana, sem dia marcado (Vais ter de procurar!😏). Esses desafios serão sempre sobre conhecimentos relacionados com as diferentes áreas curriculares e terás de respeitar as regras estabelecidas para cada um. Numa semana podes encontrar um desafio matemático e noutra um desafio sobre desporto.... Só saberás, quando vires!
      Vais ter de enviar as tuas descobertas para o mail da Biblioteca Escolar:               

   🔎No final do mês, a equipa da BE vai investigar e vai descobrir quem foi o melhor espião (aquele que fez todos os desafios, cumpriu todas as regras e respondeu bem a todos eles)! No final de cada mês, o melhor espião terá direito a um prémio! Um prémio à séria! Pode ser um livro...ou não... Para saberes, vais ter de te aventurares!

Fica a saber tudo sobre este "concurso" aqui no blogue! 

Dica: Procura através de "Pesquisar neste blogue"!


VAMOS LÁ! A aventura começa agora!

    😀Partilhamos contigo o 2º desafio, lançado hoje.
😌 Sim, o primeiro já foi disponibilizado e vais ter de o descobrir aqui no blogue. 😂
Este é um trabalho para o verdadeiro espião!
 
😏Já sabes, no fim do mês, o melhor espião é aquele que faz todos os desafios.






És capaz de agarrar esta aventura?








quarta-feira, 5 de maio de 2021

🗨Dia Mundial da Língua Portuguesa💝

 Uma língua é o lugar donde se vê o mundo e em que se traçam os limites do nosso pensar e sentir. Da minha língua vê-se o mar. Na minha língua ouve-se o seu rumor como na de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto. Por isso a voz do mar foi em nós a da nossa inquietação. Assim o apelo que vinha dele foi o apelo que ia de nós.

Vergílio Ferreira, «A Voz do Mar», in Espaço do Invisível 5, Lisboa, Bertrand, 1999

😍😍😍😍😍😍

     A data de 5 de Maio foi oficialmente estabelecida em 2009 pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) - uma organização intergovernamental, parceira oficial da

UNESCO desde 2000, que reúne os povos que têm a língua portuguesa como um dos fundamentos da sua identidade específica - para celebrar a língua portuguesa e as culturas lusófonas. Em 2019, a 40ª sessão da Conferência Geral da UNESCO decidiu proclamar o dia 5 de Maio de cada ano como "Dia Mundial da Língua Portuguesa".

     A língua portuguesa é não só uma das línguas mais difundidas no mundo, com mais de 265 milhões de falantes espalhados por todos os continentes, como é também a língua mais falada no hemisfério sul. O português continua a ser, hoje, uma das principais línguas de comunicação internacional, e uma língua com uma forte extensão geográfica, destinada a aumentar.   

   Os Dias consagrados às línguas faladas em todo o mundo celebram anualmente o multilinguismo e a diversidade cultural, e constituem uma oportunidade para sensibilizar a comunidade internacional para a história, a cultura e a utilização de cada uma destas línguas. O multilinguismo, um valor central das Nações Unidas e uma área de importância estratégica para a UNESCO, é um fator essencial para uma comunicação harmoniosa entre os povos, promovendo a unidade na diversidade, a compreensão internacional, a tolerância e o diálogo.

(Fonte: UNESCO)

Mensagem do Secretário Geral das Nações Unidas - António Guterres



Uma língua que nos une! Tanto para unir!


Descobre, no Thinglink, os países que fazem parte da CPLP e descobre alguns escritores e livros de autores desses países. Alguns tu conheces, outros tens mesmo de descobrir!

😀😀😀😀😀

Lição sobre a Língua Portuguesa
 em 6minutos de leitura

Para os adultos e miúdos curiosos que já se acham capazes
 de ler coisas de adulto!


 Falamos uma língua bastarda (e é deliciosa)

Marco Neves - 6 minutos de leitura



    As línguas, meus caros, são mesmo umas bastardas. Reparem: o português julga que vem do latim, essa língua imperial, mas nem sempre se lembra que o latim era outro: não o latim dos intelectuais romanos, mas a língua do padeiro. E do ferreiro. E da mulher da vida. E do soldado. Sim, também temos Cícero a correr nas veias da língua, mas menos do que gostam de imaginar os que sonham com uma qualquer nobreza do português.

   Mas, mais: depois de cozer a língua na Galécia, misturámos esse nosso galego com uns pós de árabe – e nem sequer era bem o árabe, mas sim os pedaços de árabe que já vinham misturados, como pedaços de chocolate numa bolacha, no moçárabe, a língua do povo do Sul da península.

   Durante séculos, o nosso português era a língua vulgar e o antigo latim continuava no seu trono. Enfim, lá se tornou oficial e, mais tarde, inventámos algumas palavras a soar a grego e também fomos outra vez ao latim para lhe dar um ar mais cultivado…

   Mas não nos enganemos: a língua continuou a ser um bicho sem tino. Importámos palavras de todo o lado. Até Os Lusíadas têm palavras de muitas paragens (e castelhanismos de sobra).

   Então se nos afastarmos da língua escrita, se olharmos para a língua da rua, essa sempre se misturou, sempre se deixou levar por manias e modas, sempre pisoteou todas as ideias de pureza. Lá vieram palavras do francês, do italiano, do inglês, das línguas índias e muito mais (mas descansem, meus caros, pois também oferecemos palavras a outras línguas: ao inglês, ao castelhano, ao francês – até ao japonês).

   E, claro, depois, nas naus, lá foi o português e lá se espalhou pelo mundo, e em todo o mundo se misturou e se pintalgou: a nossa língua também é mestiça, ó gente armada ao puro!

  Sim, eu sei: se a língua nasceu na rua, os escritores e os gramáticos deram-lhe lustro, limaram-lhe as arestas, escolheram isto em vez daquilo. Mas a verdade, também, é que a literatura se alimenta dessas correntes obscuras, da língua doutros sítios, doutras gentes – não é de todo feita duma linguagem depurada: muito antes pelo contrário. Poucos bons escritores conseguiriam escrever se a língua fosse qualquer coisa de artificial ou um bicho domado. Não: a literatura vive desse bicho selvagem criado nas ruas, nas camas, nas noites – a língua de todos, de quem insulta e ama, de quem vende e compra – e por isso tem de misturar, aprender, mudar –, de quem tem pouca paciência para queixas, de quem precisa, agora, de falar, às vezes à pressa, muitas vezes com um sorriso na boca, ou um grito, ou um segredo, ou um beijo.

  Somos só nós que somos assim? Não. O português não está sozinho: o inglês, por exemplo, a língua que agora anda nas bocas do mundo, chegou àquelas ilhas britânicas como língua dum povo guerreiro, estragou-se com os Celtas e os Viquingues, que lhe esfacelaram a gramática toda, andou à rédea solta enquanto os nobres falavam normando, absorveu palavras latinas, francesas, até portuguesas. Hoje, é uma manta de retalhos em que o tecido original, muito germânico, já está cheio de remendos de todo o tipo. E alguém perde alguma coisa com isso?

   O mesmo podemos ver no espanhol, no francês (até no francês!), no italiano – e em todas as outras línguas. Mesmo o esperanto não passa duma mistura estranha de muitas línguas, só que em vez de cozinhada na cabeça de milhões, foi na cabeça de um só homem.

   As línguas ficam mais pobres com estas misturas todas? Claro que não! A ideia de pureza linguística é como todas as outras ideias de pureza: extraordinariamente sedutora, mas perigosa, daquele perigo mau, que às vezes até acaba em tragédia. É uma mania que não ajuda ninguém e só nos deixa enervados uns com os outros.

   Por isso, ó gente que sonha com uma língua impoluta, sem misturas, sempre no mesmo registo, sem palavrões, sem expressões populares, sem um ou outro absurdo, sem redundâncias, sem palavras que querem dizer a mesma coisa, sem estrangeirismos, sem pronúncias diferentes: percebam duma vez por todas que o português, como todas as línguas, é um fenómeno natural, um sistema complexo e desordenado, que podemos estudar, usar, moldar para nosso proveito – mas que dificilmente podemos controlar. Podemos (isso sim) conhecer e até amar esse bicho bastardo. Cada um de nós pode ainda – aliás, deve – falar e escrever cada vez melhor a língua que nos calhou na rifa. É bastarda, mas é nossa.

  Sim, temos de ter uma norma-padrão, o português seleccionado que serve para as situações formais e académicas – e é a base da escrita, essencial à civilização. Quanto mais pessoas a conhecerem, mais pessoas têm acesso à discussão pública. A norma-padrão é um instrumento essencial – mas não se convençam que é sagrada e, acima de tudo, não tentem reduzi-la ao mínimo, não tentem cortá-la até ficar sem vida. A norma pode ser mais ou menos rica – e quanto mais pura, mais pobre será. Sim: mesmo à norma, quando a conhecemos de trás para a frente, fica bem dar-lhe um pouco de sangue, esticar um pouco a corda. Arriscar. Misturar. Sem medo. Querem protegê-la? Escrevam mais, leiam mais, trabalhem! Não desatem a querer cortar à língua palavras e expressões por esta ou aquela razão, deixando a norma mais pobre e mais distante da língua de todos.

   É verdade, admito: isto vem muito a propósito do estardalhaço que li por causa duma simples palavra numa notícia – muita gente se queixou porque o jornalista, em jeito de brincadeira, tinha usado a palavra «deslargar».

    Fiquei pasmado com o exagero das reacções. Uma pequena brincadeira, um pequeno risco que um jornalista decidiu correr – e vem a correr a brigada da língua, cheia de discursos inflamados a acusar os falantes da língua de todas as patifarias deste mundo. São os discursos habituais, que se viram contra a própria língua com a desculpa de a proteger. Lembrei-me logo das reacções de alguns amigos meus quando ouvem a expressão «o comer», que é popular, claro está, mas é tão portuguesa como «o saber», «o olhar» e todos esses verbos saborosos que transformamos em nomes. Nunca deixo de ficar espantado com o ódio que algumas pessoas reservam para as palavras dos outros.

    Quando vejo tanta gente a atacar os outros por falarem português, tanta gente a atarefar-se a mudar a língua para a tornar mais lógica, mais pura, mais pequena, penso: quem salvará a língua de quem quer salvar a língua?

    O que vale é que a língua é mesmo um animal selvagem: lá dá uns coices e continua, matreira e bastarda, saborosa todos os dias. E nós, com ela nos lábios, lá escrevemos, conversamos e damos beijos em bom português – e esquecemos esses tontos que a querem prender à força. Porque a língua é bastarda, sim senhor – e deliciosa para quem a souber ouvir.

(Excerto do livro A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa.)